Concurso da Fundação Volkswagen recebe 1.055 inscrições em 2018

Volkswagen na Comunidade tem projetos inscritos por 957 organizações de 25 Estados brasileiros
Publicado em

O Volkswagen na Comunidade, concurso da Fundação Volkswagen de apoio a projetos sociais, encerrou as inscrições de 2018. Ao todo, 1.055 projetos foram inscritos por 957 organizações de 25 Estados brasileiros. Já a formação a distância, oferecida aos interessados em se capacitar para o desenvolvimento de projetos, ultrapassou 10 mil acessos.

Neste ano, o concurso entregará R$ 440 mil em prêmios para os vencedores. Ao todo, 11 entidades serão premiadas com R$ 40 mil cada. Dez projetos deverão ser inéditos, sendo nove inscritos por colaboradores da Volkswagen do Brasil e Volkswagen Serviços Financeiros e um por colaborador da MAN Latin America, do Grupo Volkswagen. A 11ª premiação é o Prêmio de Sustentabilidade, entregue à entidade premiada no concurso Volkswagen na Comunidade 2017 que melhor aplicou os recursos durante o ano. Desde a primeira edição, 2.577 colaboradores apadrinharam projetos do concurso. A cerimônia de premiação está prevista para 26 de outubro.

Vencedores de 2017 comemoram os resultados

Em 2017, o Volkswagen na Comunidade celebrou uma década de transformação de vidas. Para a edição comemorativa, a Fundação criou o Prêmio Especial 10 anos. Concorreram vencedores de todas as edições do concurso. O Prêmio foi recebido pela Organização Social Pequeno Cotolengo Paranaense, de Curitiba (PR), com o projeto “Bazar da Amizade”. Foi construído um galpão de triagem, que ampliou o espaço dessa ação que gera renda para a instituição.

Já o vencedor do Prêmio de Sustentabilidade foi o Rotary Club de São Carlos Norte, de São Carlos (SP), com o projeto “Aparelhamento do Banco de Leite Humano da Santa Casa”. O objetivo da iniciativa era garantir suporte material e humano ao Banco, que apoia o berçário e a UTI neonatal. Em 1 ano, o Banco de Leite quase dobrou o volume de doações.

A mãe Ana Paula Barbosa Lima foi uma das beneficiadas pela iniciativa. Seu filho nasceu prematuro e ficou 16 dias na UTI para ganhar peso. “O acolhimento que recebi e a estrutura do Banco permitiram que, mesmo sem poder amamentá-lo nos primeiros dias como eu desejava, ele recebesse o meu leite. É muito gratificante poder contribuir para o Banco de Leite que me deu todo o apoio em um momento difícil”, afirmou Ana Paula, que se tornou doadora de leite materno.